Prêmio todavia
de não ficçãoano
dois

reportagem Histórias reais para tempos irreais
Conheça o vencedor da
primeira edição.

Bruno Ribeiro tem 31 anos e mora em Campina Grande (PB). É escritor, roteirista e tradutor. Autor de Arranhando paredes (Bartlebee, 2014), Febre de enxofre (Penalux, 2016), Bartolomeu (Auto publicação, 2019), Zumbis (Enclave, 2019) e Glitter (Moinhos, 2018), que foi finalista do Prêmio Kindle e recebeu a Menção Honrosa no Prêmio Mix Literário.

“O que me chamou a atenção no prêmio foi a busca por novas vozes e por novos formatos de escrita, essa proximidade entre a ficção e a não ficção:

Porque eu não sou jornalista, então imaginei que muitos jornalistas iriam se inscrever e talvez, por esse motivo, eu não tivesse chance.”

Bruno Ribeiro
Sobre o que é o projeto? Sobre o que é o projeto?

Livro-reportagem sobre um feminicídio que marcou para sempre a história dos moradores de uma cidade no agreste paraibano.

“Forte”

Rogério Galindo

“Impactante e pertinente”

Chico Felitti

“Dramático e chocante”

Daniela Pinheiro

“Uma história que pede um livro”

Dorrit Harazim
A decisão dos jurados pelo
vencedor foi unânime.
A decisão dos jurados pelo vencedor foi unânime.
Conheça o vencedor da
segunda edição.

Cearense de Fortaleza, André Ítalo Rocha é jornalista. Formado pela Universidade de Fortaleza, é também especialista em ciência política pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Tem 31 anos e mora em São Paulo desde 2014.Este será seu primeiro livro.

“Quando jornalistas ou não jornalistas se propõem a pensar uma pauta e se aprofundar nela a ponto de virar um livro, isso mostra o papel importante da não ficção:

dar visibilidade a histórias brilhantes que não seriam contadas.”

André Ítalo Rocha
Sobre o que
é o projeto?

Livro-reportagem que conta a história da bancada evangélica desde seus primeiros integrantes até sua atuação no governo Bolsonaro, acompanhando a evolução do grupo que se mostrou decisivo na política brasileira.

O prêmio

O poder da verdade.
Nossa época — talvez como nenhuma outra — tem embaralhado as fronteiras entre o real e o imaginário. Entre a verdade e a mentira. Entre o que se viu e o que se ouviu. Essa fluidez entre o que é fato e ficção tem consequências imprevistas em nossas vidas e em nossa sociedade.

Ver, escutar, inquirir e buscar a verdade nunca foi tão necessário e urgente. Documentar, com estilo e argúcia, é tarefa essencial para restaurar a realidade. E ampliar nosso entendimento do que vem acontecendo no mundo. O prêmio todavia de não ficção - ano 2 propõe a produção de reportagens que iluminem fatos, eventos e questões da nossa vida social, cultural e política. Textos que, firmemente ancorados na apuração rigorosa, na pesquisa profunda e na escrita consistente e energética, nos ajudem a conhecer novas histórias. Histórias reais.

inscrições encerradas!

encerramento das inscrições
divulgação do vencedor

Jurados

Chico Felitti

Alcino Leite Neto
Jornalista. Editor-executivo da piauí. Foi editor da "Ilustrada" e de cadernos especiais na Folha de S. Paulo, e correspondente do jornal em Paris.

Daniela Pinheiro

Bruno Paes Manso
Jornalista, pesquisador da USP e autor dos livros A guerra e A república das milícias, publicados pela Todavia.

Dorrit Harazim

josélia aguiar
Jornalista, é autora da biografia de Jorge Amado (publicada pela Todavia). Foi curadora da Flip em 2017 e 2018.

Rogerio Galindo

bianca santana
Jornalista, é colunista do UOL e da Gama. Pesquisa memória e a escrita de mulheres negras. É autora de Quando me descobri negra.

quer saber mais?

Sim. Conforme consta no regulamento, todos os autores do projeto devem ter seus próprios pseudônimos. Portanto, se forem dois autores, serão dois pseudônimos.

Não. Somente a ficha de inscrição deverá ser preenchida com dados verdadeiros. O pseudônimo deverá ser adotado no campo “pseudônimo” e no manuscrito. Por favor, atente para que o manuscrito não contenha dados que identifiquem a/o inscrita/o.

O mínimo aceito é o de 160 mil caracteres com espaço. Não estipulamos o máximo.

A Todavia entrará em contato apenas com o vencedor. Não haverá comentários sobre os projetos não escolhidos. O resultado final será divulgado em outubro de 2021 no site e nas redes sociais da editora.

Sim, pessoas de qualquer área (com ou sem formação acadêmica) poderão submeter seus trabalhos, desde que atendam às regras do regulamento.

Você receberá um e-mail automático da plataforma confirmando o recebimento. Fique atento: caso não esteja na sua caixa de entrada, olhe o spam.

Não. Mas seria uma gentileza se você pudesse nos avisar.

Envie um email para [email protected] com seus novos dados.

Não. Todos os projetos devem ser enviados via PDF por meio do formulário do site do Prêmio. Não aceitaremos envio de manuscritos impressos via Correios.

Sim.

Dúvidas? Escreva para
[email protected]
crosses-red